POLUIÇÃO LUMINOSA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM CAMARATE, LISBOA

Autores

  • Inês Nunes Escola Secundária de Camarate
  • Luís Dourado Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.37156/RELEA/2017.24.023

Palavras-chave:

poluição luminosa, educação ambiental, luminárias, constelações, fatores abióticos.

Resumo

A poluição luminosa resulta de candeeiros e projetores exteriores mal concebidos ou mal direcionados, emitindo luz para além do seu alvo. Além do aspeto económico e energético, a poluição luminosa interfere nos processos naturais da fauna e da flora, na qualidade de vida do Homem e na observação do céu noturno. Considerando a problemática local da poluição luminosa de Camarate, desenvolveu-se um projeto interdisciplinar de Educação Ambiental. Realizaram-se auditorias aos equipamentos de iluminação exteriores, testou-se o efeito da poluição luminosa na visibilidade das estrelas e no desenvolvimento de seres vivos. Os resultados apontam para um nível de poluição luminosa considerável (magnitude 3), na zona da Escola Secundária de Camarate, predominando lâmpadas de sódio de alta pressão e luminárias que apresentam apenas uma semiproteção. Os seres vivos testados, feijoeiros e macroinvertebrados do solo, são afetados pela iluminação artificial noturna, quer ao nível do crescimento, quer nos hábitos de vida, respetivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inês Nunes, Escola Secundária de Camarate

Educação/Ensino das Ciências

Luís Dourado, Universidade do Minho

Instituto de Educação

Downloads

Publicado

2017-12-15

Como Citar

Nunes, I., & Dourado, L. (2017). POLUIÇÃO LUMINOSA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM CAMARATE, LISBOA. Revista Latino-Americana De Educação Em Astronomia, (24), 23-43. https://doi.org/10.37156/RELEA/2017.24.023

Edição

Seção

Artigos