INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DE ASTRONOMIA NO BRASIL E SUA DISTRIBUIÇÃO NO TERRITÓRIO NACIONAL

Autores

  • Joana Brás Varanda Marques Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
  • Denise de Freitas Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.37156/RELEA/2015.20.037

Palavras-chave:

Educação não-formal, divulgação científica, observatórios astronômicos, planetários, associações, museus e centros de ciências

Resumo

Neste artigo apresentamos os resultados de um levantamento das instituições brasileiras de educação não-formal e divulgação de Astronomia. O setor não-formal da educação e da divulgação    científica são áreas em expansão em todo o mundo e, também, no Brasil. A Astronomia é uma ciência privilegiada devido à rede de instituições existente, mas são poucas as pesquisas que se debruçam sobre essa temática e as informações sobre as instituições não estão integradas nem atualizadas. Neste contexto, buscamos trazer contribuições para o campo ao realizar um levantamento da localização dos planetários, observatórios, museus e associações dedicadas à Educação em Astronomia no Brasil por meio da compilação e atualização das listagens parciais destes já existentes. Pelo que apuramos o Brasil conta com quase 500 instituições dedicadas a essa temática, no entanto, elas estão distribuídas de maneira pouco uniforme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Brás Varanda Marques, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutoranda em Educação na Programa de Pós-Gaduação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Denise de Freitas, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Professora Associada do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Downloads

Publicado

2015-12-15

Como Citar

Marques, J. B. V., & Freitas, D. de. (2015). INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DE ASTRONOMIA NO BRASIL E SUA DISTRIBUIÇÃO NO TERRITÓRIO NACIONAL. Revista Latino-Americana De Educação Em Astronomia, (20), 37–58. https://doi.org/10.37156/RELEA/2015.20.037

Edição

Seção

Artigos