ASTROFÍSICA ESCOLAR: BRINCANDO COM DADOS OBSERVACIONAIS

Hugo D. Navone, Miriam Scancich, Rubén A. Vázquez

Resumo


A utilização de registros observacionais na construção de seqüências didáticas em Astrofísica Escolar não é algo usual no ensino médio. Tampouco o é uma abordagem de temáticas dentro do contexto da Natureza da Ciência. Agrega-se a estas carências a falta de propostas que estimulem a utilização do computador como um laboratório para estudar a natureza. Os aspectos mencionados expõem a existência de um desajuste entre ciência escolar e ciência avançada, estabelecendo a necessidade de elaborar projetos educativos simples que promovam o diálogo interdisciplinar entre ambos campos do conhecimento. Partindo destes pressupostos, este trabalho apresenta a reformulação escolar do problema abordado por Hubble –a relação entre redshift e distância das galáxias- e se exploram as principais dimensões educativas que emergem do mesmo. A proposta está destinada a alunos do último ano do nível médio, primeiros anos do curso superior e a estudantes e professores de Institutos de Formação Docente. As atividades práticas realizadas mostram que a proposta é viável, que mobiliza inquietudes em torno da temática e da Astrofísica e que se fortalece ao adquirir um caráter lúdico e cooperativo.

Palavras-chave


Diagrama de Hubble; Modelos observacionais; Ciência escolar e ciência avançada; Natureza da Ciência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.37156/RELEA/2011.11.081

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1806-7573

Creative Commons License 
Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Indexado em: